A adoção de animais vem crescendo no Brasil. Atualmente, pets adotados correspondem a 24% dentre os 52 milhões de cachorros mapeados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE). Entidades de defesa dos direitos dos pets, de maneira geral, incentivam a prática. Isso porque pode-se contribuir para diminuir a quantidade de animais abandonados ao redor do globo – só no Brasil, são cerca de 30 milhões, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Ter um companheiro com quem possa se divertir e trocar carinho está entre os gatilhos que levam à adoção de cães e gatos. Mas, é preciso levar em consideração outros pontos importantes na hora de se decidir por acolher um animal, um deles são os cuidados que devem ser dedicados aos pets, que envolvem afeto e investimentos com a saúde durante todo o tempo de vida deles, que é de, em média, 15 anos. Para quem está em dúvida entre um felino ou cachorro, a dica é avaliar qual animal ficará melhor ambientado ao estilo de vida.

A disponibilidade de tempo do tutor, a rotina de trabalho e frequência de viagens são fatores cruciais que deverão ser pontuados no momento da adoção. Lembrando que há animais com temperamentos perfeitamente adaptáveis às várias rotinas e perfis que as famílias podem ter.

Para facilitar o processo de inserção do pet na rotina da família, uma das dicas é trabalhar para desenvolver o vínculo tutor-animal, com alguns comandos iniciais simples que ajude o novo membro a conhecer os limites, como o de sentar e deitar, e a criar afeição.

Se no ambiente houver outro pet, alguns cuidados são aconselhados na integração. No caso de cães, apresente-os em um território neutro, para que se estabeleça a hierarquia entre eles. Agressões devem ser repreendidas, mas é fundamental confortar a ambos no momento. Com felinos, o novo animal deve permanecer em um ambiente separado por um tempo, para que o mais velho possa sentir o seu cheiro, porém sem que haja o contato direto, para a socialização ocorrer aos poucos.

Adotar é uma responsabilidade; envolve conforto, atenção, dedicação e gastos.  As consultas com o veterinário, por exemplo, são recomendadas já em um primeiro momento, para realizar um check-up geral do animal e vacinar. Além disso, outros aspectos que devem ser estabelecidos dizem respeito à vermifugação e ao controle de parasitas.